Pontos de Mergulho Ilha do Arvoredo

A ilha do Arvoredo fica a 18 km de Florianópolis. Os pontos de mergulho no Arvoredo se diferenciam em suas características , que podem variar de acordo com a formação do fundo, profundidades mínimas e máximas, espécies mais encontradas,  correntes, ou ainda características específicas, que proporcionam um mergulho menos convencional, como naufrágio, gruta, etc. Abaixo, seguem as informações pertinentes aos pontos de mergulho que começam a sudeste da Ilha do Arvoredo e seguem até o último ponto de mergulho ao noroeste da ilha, e também um mapa com os pontos de mergulho destacados, para melhor compreensão.

Ponta do Farol
Situado no extremo sudeste da ilha, é o mais profundo dos pontos de mergulho do Arvoredo, chegando aos 33 metros. Por estar na ponta da ilha do Arvoredo, em parte pouco abrigada, é o ponto de mergulho que mais sofre com a interferência das correntes. É um dos pontos de mergulho que mais favorecem o checkout do curso de  especialidade PADI Deep Diver, a prática do mergulho de aventura profundo do curso PADI Advanced Open Water e também mergulhos de turismo. São avistados com mais frequência cardumes de passagem, como xaréus, xareletes, parus enxada e anchovas. Seu fundo é composto de rochas, dando moradia para moreias, lagostas, polvos, caranguejos, e muitos outros.

Saco do Vidal
Este é, na opinião de grande parte de nossa equipe, o  mais completo dos pontos de mergulho no Arvoredo, chegando a 30 metros. Possui formação variada de pedras, desde pequenas a penhascos submersos. Na parte mais rasa, dentro da baía, há uma parte extensa, que chega a apenas 2 metros de profundidade. É raro não avistar grupos de tartarugas se alimentando de algas. É um lugar especial para levar iniciantes que estão praticando mergulho de batismo ou snorkelling. É o ponto mais usado para os mergulhos profundos, para o checkout do curso de  especialidade PADI Deep Diver, a prática do mergulho de aventura profundo e multinível dentro do curso PADI Advanced Open Water, checkout do curso de especialidade PADI Multinível ou simplesmente mergulhos de turismo. Aos 5 metros de profundidade está uma das mais belas grutas encontradas na ilha. Embora tenha entrada e saída, recomenda-se não atravessá-la, por ser razoavelmente estreita, além de ter teto. Nela se concentram cardumes de pequenos peixes.

Saco do Farol
É a Baía onde está instalada a base da Marinha, responsável pelo farol da ilha. Embora haja partes que podem chegar a mais de 20 metros de profundidade, o perfil mais comum dos mergulhos varia entre 8 e 15 metros. Com fundo composto de pedras, é comum avistar tartarugas, moreias, garoupas, badejos, entre muitos outros.

Baía do Engenho
A Baía do Engenho, ao lado do Saco do Vidal, é um dos pontos de mergulho mais versáteis na ilha. Seu fundo se divide em pedras ou areia, criando a interface (onde termina a pedra e começa a areia), sendo a melhor referência natural dentro do mergulho.
O mergulho em direção ao noroeste tem uma gruta, com sua entrada aos 6 metros de profundidade. Como a gruta do Saco do Vidal, há partes mais estreitas, com teto, e segue as mesmas recomendações de segurança. Na parte interna da gruta há sempre cardumes de salemas, frades, robalos, entre outros.
Seguindo a sudeste, pela interface, o mergulho chega a 25 metros de profundidade. Normalmente, a partir dos 10 metros, da interface para as pedras, há cardumes imensos de salemas e sargentos. Com olhos mais atentos há também a possibilidade de avistar cavalos-marinhos, nudibrânquios e peixes cachimbo. Da interface para a areia são vistas, com certa frequência, as raias prego e borboleta e, mais raramente, a chita. Seguindo mais para o fundo é a vez das grandes garoupas e badejos.
Seguindo a sudeste, mas cortando a interface, há um grande parcel entre 4 e 6 metros. Há sempre tartarugas comendo em grupo, além de moreias, falsas moreias, peixe cofre, falso voador, peixe trombeta, entre outros.

Baía das Tartarugas
Ponto com uma composição de fundo bem definida, com uma interface dividindo as pedras da areia. Há uma baía mais rasa entre 3 e 5 metros, onde há uma concentração de pedras menores, tornando-se moradia para pequenos peixes, como as donzelinhas, marias da toca, pequenos caranguejos, camarões, nudibrânquios entre outros. Atravessando a interface, sentido areia, entre os 8 e 10 metros, há pedras médias, onde tartarugas aproveitam as paredes inclinadas para se escorar e descansar. É um dos destinos preferidos para checkout de vários cursos, como: Open Water, Navegação, Busca e Recuperação, Flutuabilidade, AWARE Fish- Id, Avançado, e outros.

Saco do Batismo
O que chama mais a atenção desse ponto, sem dúvida, são suas imensas pedras que formam passagens entre elas, como pequenas grutas. Com profundidade máxima de 8 metros, é um ponto mais explorado para batismo, por se tratar de um mergulho muito abrigado e tranquilo, com pouca variação de profundidade. Usado também para checkouts de diversos cursos, por ter grande parte de sua área coberta com areia. É na areia que aparecem, com frequência, raias e linguados, além de peixes trilha.

Saco do Capim
Leva esse nome devido à composição de sua vegetação característica, o capim. É, certamente, o ponto de mergulho mais frequentado pelos mergulhadores. Com profundidades que chegam a 15 metros, essa baía tem formato de ferradura e em sua parte mais rasa concentra-se uma população de tartarugas verdes. Há restos de um naufrágio de uma embarcação de madeira espalhados pelo fundo da baía. A embarcação que naufragou se chamava Granada e algumas pessoas dão esse nome ao ponto de mergulho também. Basicamente formada por pedras médias e pequenas, e com muitas redes de pescas emboladas no fundo, é comum ver cavalos-marinhos agarrados à rede para se fixarem e também para se esconderem de predadores. Mais ao fundo, frequentemente são avistados peixes cofre, peixes trombeta, além de coiós (falso voador).